Implantes Zigomáticos

Os Implantes Zigomáticos tem como especial missão a devolução da esperança a pacientes com quantidades de osso bastante reduzidas para serem reabilitados através de métodos de implantologia tradicional, ou que já foram reabilitados com implantes, mas sem sucesso.

 

A especialidade de implantes zigomáticos é, atualmente, a mais avançada técnica de reabilitação protética do maxilar atrófico: adaptada à anatomia do paciente, é minimamente invasiva e não exige a realização de osteotomias ou qualquer corte de osso do maxilar, distinguindo-se, também, pela preservação dos tecidos moles.

 

Dentes fixos num só dia e sem enxertos

Na MD Clínica somos especialistas na reabilitação da atrofia severa da maxila usando próteses dentárias fixas em implantes zigomáticos, ancorados no osso malar. Assim, evitamos a necessidade de cirurgia para realizar enxertos ósseos.

 

Após a extração dentária

Geralmente, a perda de osso após a extração dentária e o uso de próteses dentárias resultam em atrofia óssea, conduzindo a uma redução no volume de osso maxilar para a colocação de implantes orais. Esta situação é um verdadeiro desafio.

 

Antecedentes terapêuticos

Tradicionalmente, a opção terapêutica para estes pacientes tem sido algum tipo de procedimento de aumento ósseo para aumentar o volume de osso capaz de suportar a carga mastigatória.

Geralmente, a maxila atrófica era tratada com grandes enxertos ósseos da perna ou do crânio. Este procedimento requeria anestesia geral e/ou técnicas invasivas.

No entanto, tais procedimentos podem ser agressivos e complicadas. Na maioria dos casos, será necessário um segundo local cirúrgico para obter o enxerto, como o osso da perna ou crânio.

Após o enxerto, deve ser respeitado um período de cicatrização de vários meses antes de colocar os implantes. Além disso, o paciente não poderá usar prótese dentária durante várias semanas após a cirurgia.

A decisão clínica dependerá das condições locais e sistémicas do paciente, preferências pessoais e custo. Os indivíduos mais velhos ou clinicamente comprometidos podem não ser candidatos ao enxerto devido ao aumento do risco e morbilidade cirúrgica.  

 

Implantes zigomáticos:  uma nova era

Atualmente, as alternativas aos procedimentos de enxerto ósseo, como implantes angulados e implantes no arco zigomático ou malar, foram amplamente documentadas e cientificamente provado o seu sucesso.

Implantes angulados foram propostos como uma alternativa aos enxertos ósseos e os resultados indicaram que estes implantes poderiam substituir quase todos os procedimentos de enxertos de osso. O arco zigomático malar não é afetado pela atrofia derivada da perda de dentes.

Neste procedimento alternativo, os implantes zigomáticos possuem a maior carga mastigatória e são colocados no osso residual da boca. Através de uma via intra ou extra  sinusal são estabilizadas no arco do zigoma. Outros implantes de tamanho padrão serão anexados à frente da boca para estabilizar a construção.

Foram descritas poucas complicações e, ao contrário da cirurgia de enxerto, é necessário um único procedimento cirúrgico.

Não é necessária anestesia geral. Recomenda-se sedação intravenosa e anestesia local.

 

Tudo num só dia

O procedimento será realizado num único dia e inclui:

  • Eventual extração dos restantes dentes considerados inúteis.
  • Colocação dos implantes e a entrega em 24 horas de uma prótese dentária fixa temporária que é fixada por parafusos sem palato. Na verdade, a técnica permite o uso imediato de dentes fixos.

Após a intervenção, serão prescritos antibióticos  por uma semana e uma dieta suave durante os primeiros 3 meses. Eventualmente, a mudança da primeira prótese para uma de conceção mais elaborada e esteticamente projetada será considerada após os primeiros cinco meses.

 

Procedimento menos invasivo

Atualmente, pessoas com osso pequeno ou atrofia maxilar grave podem ser rotineiramente reabilitadas com próteses dentárias ligadas aos implantes zigomáticos.

Com esta técnica menos invasiva, evitam-se complicações e reduz-se a morbilidade, sem sítio doador. O tempo de tratamento é drasticamente reduzido e o paciente não terá que sofrer longos períodos sem o uso de dentes, recuperando a função e a estética em apenas um dia.

 

Contando com a colaboração dos melhores profissionais desta técnica, a MD Clínica pretende distinguir-se como um clinica de referência no desenvolvimento e aplicação de implantes zigomáticos.

Em entrevista ao JornalDestistry, é destacada esta inovação:

Embora na MD Clínica já se colocassem implantes em pacientes com uma “quantidade de osso diminuta”, esclareceu a Dra. Alexandra Marques, implantologista, a vontade de dar aos pacientes uma nova esperança e conseguir tratar os casos que até há pouco tempo não podiam ser reabilitados com implantes deu lugar a uma parceria com o Dr. Carlos Aparício e à inauguração do primeiro Zigoma ZAGA Center da capital.

“O Dr. Carlos Aparício tem já vindo a realizar cirurgias comigo e com a restante equipa da MD Clínica, e foi nesse sentido que decidimos tornar-nos num Zigoma ZAGA Center”, explicou. O Dr. Carlos Aparício ficará responsável pela nova unidade de tratamento da MD Clínica.

A Dra. Alexandra Marques identifica a técnica como sendo “a última linha para implantes”, com resultados “bastante positivos e previsíveis”.

 

VER MAIS ESPECIALIDADES